APTA - Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios

Notícia

 

01/11/2017
IB possui o único laboratório brasileiro para produção de imunobiológicos para diagnóstico de brucelose e tuberculose
O Instituto Biológico (IB-APTA), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, possui o único laboratório brasileiro com capacidade para produzir imunobiológicos para diagnósticos de brucelose e tuberculose em animais, principalmente bovinos. Sem esses testes, não é possível a realização de compra, venda, trânsito e exportação de bovinos. A tuberculose é causada pela Mycobacterium bovis e acarreta prejuízos anuais estimados em US$ 3 bilhões em todo o mundo. A brucelose é decorrente da Brucella abortus e traz prejuízos da ordem de US$ 448 milhões no Brasil. O Instituto Biológico comemora seus 90 anos de atividade em 6 de novembro de 2017, em São Paulo, Capital.

Em outubro de 2017, o IB bateu recorde na produção de doses em uma única partida de imunobiológicos, com a liberação de 330 mil doses em uma única partida, sendo que cada frasco é constituído de 50 doses – um aumento de 65% na produção de doses. Outras partidas devem ser liberadas pelo instituto em novembro deste ano.

De acordo com o veterinário do IB, Ricardo Spacagna Jordão, o aumento no número de doses disponibilizadas por partidas é uma das estratégias do Instituto para aumentar a produção. Em 2016, o IB liberava 220 mil doses de tuberculina bovina por partida. No ano, foram produzidas 12 partidas. “Já estamos produzindo as partidas de 2018. A ideia é diminuir o número de partidas no ano e aumentar a produção de doses em cada uma delas, para podermos atender a demanda nacional”, explica o médico veterinário.

O IB também busca recursos junto a órgãos estaduais, federais, agências de fomento e iniciativa privada para ampliação de seu Laboratório de Produção de Imunobiológicos. “Esperamos conseguir esse recurso e triplicar nossa capacidade de produção. A ideia é conseguir produzir as 12 milhões de doses demandadas pelo mercado brasileiro”, afirma Jordão.

O Laboratório de Produção de Imunobiológicos do IB possui licença de funcionamento expedida pelo Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e é certificado pela norma ISO 9001, que garante a qualidade dos produtos produzidos pelo instituto de pesquisa paulista. O IB comercializa os kits com imunobiológicos para 24 estados brasileiros, além do Distrito Federal.

Impacto

Segundo Ricardo Spacagna Jordão, médico veterinário do IB, estudos realizados em 2013 demonstraram que o prejuízo total da brucelose no Brasil foi estimado em U$ 448 milhões que equivale, hoje, a cerca de R$ 1,005 bilhão. A cada 1% de variação na prevalência, estima-se o incremento no prejuízo de U$ 77,85 milhões ou R$ 174,70 milhões no custo da brucelose bovina no Brasil.

A tuberculose bovina é uma doença causada pela bactéria Mycobacterium bovis que afeta principalmente bovinos e bubalinos. Ocorre em diferentes partes do mundo, causando prejuízos anuais estimados em US$ 3 bilhões de dólares.

“Dados indicam a brucelose como a responsável pela diminuição de 25% na produção de leite e de carne e redução de 15% na produção de bezerros. Há ainda estimativas mostrando que a cada cinco vacas infectadas, uma aborta ou torna-se permanentemente estéril. Há estimativas de que animais contaminados percam de 10% a 25% da sua eficiência produtiva, além da perda do prestígio e da credibilidade da fazenda em há casos positivos de tuberculose”, afirma Jordão. A tuberculose e a brucelose são zoonoses, ou seja, podem contaminar os humanos. Os animais contaminados devem ser sacrificados.

 “O Instituto Biológico realiza diversas diagnósticos e produz antígenos fundamentais para a economia brasileira. Os imunobiológicos são estratégicos para o País por diagnosticarem doenças importantes que barram a entrada do produto brasileiro no exterior. Em seus 90 anos, o IB tem trabalhado de forma sistemática em prol da sanidade animal e vegetal brasileira com o desenvolvimento de pesquisas, tecnologias e prestação de serviços para o setor de produção. Ele está alinhado ao que nos pede o governador Geraldo Alckmin”, afirma Arnaldo Jardim, secretário de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo.

|Voltar|