APTA - Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios

Notícia

 

15/06/2018
APTA apresenta tecnologias e palestras durante VII Fórum Internacional de Plasticultura e Tecnologia Agrícola
A Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, participou do VII Fórum Internacional de Plasticultura e Tecnologia Agrícola, entre 18 e 22 de junho de 2018, no Centro de Convenções da Prefeitura de Holambra. Pesquisadores ligados à APTA ministraram palestras e em um estande a Agência fez a exposição de equipamento inédito que permite a produção de plantas aromáticas e medicinais dentro de casa e tecnologia de controle biológico para controle do ácaro-rajado em rosas, orquídeas, crisântemos e gérberas.

Durante o Fórum, foi apresentado pela startup Aeropônica, Instituto Agronômico (IAC-APTA) e APTA Regional um protótipo de equipamento que permite a produção de hortaliças folhosas, pimentas, plantas aromáticas, além de batata-semente para cultivo dentro de casa sem o uso de solo. “Por meio da utilização de luz artificial e nebulização é possível produzir diversos tipos de planta, inclusive aquelas que são utilizadas no dia a dia para o preparo das refeições. O princípio é a utilização da técnica chamada de aeroponia, desenvolvida em São Paulo pela APTA para a produção comercial de batata-semente”, explica Thiago Factor, pesquisador do IAC. O projeto recebeu financiamento de R$ 160 mil do Programa Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (PIPE-FAPESP).

A aeroponia é uma vertente da hidroponia e consiste no cultivo de planta sem a necessidade de solo ou substrato. No sistema, as raízes ficam suspensas no ar e a planta é alimentada por nebulização de gotículas de água carregadas de nutrientes. A APTA adaptou a tecnologia para produção de batata-semente em São Paulo. Com ela, é possível produzir quatro vezes mais batata-semente, utilizando 90% menos de água. “Esta é uma tecnologia já adotada por alguns produtores paulistas. Estamos agora adaptando para que ela seja utilizada em domicílios, por pessoas que nunca cultivaram uma planta”, afirma o pesquisador.

A parceria entre a startup, o IAC e a APTA Regional surgiu após o proprietário da Aeropônica, Alex Humberto Calori, finalizar o Doutorado na Pós-Graduação IAC em Agricultura Tropical e Subtropical e o estágio na unidade de pesquisa de Mococa. “Percebi que havia demanda de produtos customizados de hidroponia e aeroponia para ambientes indoor. O conhecimento obtido na época do estágio, no Mestrado e Doutorado no IAC contribuiu para consolidar os sistemas de produção, o que foi fundamental para o desenvolvimento deste produto inovador”, diz Calori.

Este foi o primeiro projeto oriundo da Pós-Graduação do IAC a receber financiamento do PIPE-FAPESP. “Além da pesquisa básica, a Pós-Graduação do Instituto Agronômico trabalha com pesquisa aplicada, que visa o desenvolvimento de produtos e processos passíveis de obtenção de propriedade intelectual e de serem trabalhados em uma empresa”, explica Luis Felipe Villani Purquerio, pesquisador do IAC que foi orientador de Calori no Mestrado e Doutorado.

Controle biológico

O Instituto Biológico (IB-APTA) levou ao Fórum suas tecnologias para controle biológico do ácaro-rajado em plantas ornamentais, como rosas, orquídeas e gérberas. Os trabalhos do IB garantem controle efetivo da praga, com o uso mínimo de defensivos agrícolas.  Os trabalhos possibilitaram a redução em até 70% de acaricidas para o cultivo de gérberas e crisântemos e até mesmo a eliminação do uso dos produtos em rosas e orquídeas.

As pesquisas do IB envolveram os floricultores da região de Arujá, um dos principais polos de floricultores do Estado. Os produtores da região enfrentavam problemas para controlar o ácaro-rajado, que ataca plantas ornamentais como orquídeas, gérberas, crisântemos e rosas. O uso constante de acaricidas estava selecionando os ácaros resistentes, diminuindo drasticamente os efeitos do produto.

“Com aplicação exclusiva de produtos químicos, alguns produtores estavam obtendo níveis de controle abaixo de 20% para diversos acaricidas. Com a adoção de estratégia de manejo, incluindo o controle biológico, proposta pelo IB, é possível chegar ao controle efetivo da praga, acima de 80% de eficácia, com o uso mínimo de acaricidas”, explica Mário Eidi Sato, pesquisador do IB.

Palestras

Em 19 de junho, às 15h30, o doutorando do IAC, Augusto Yukitaka Pessinatti Ohashi, apresentou a palestra “Agricultura irrigada: Cenário, gestão, entraves e perspectivas”, também de autoria da pesquisadora do Instituto, Regina Célia de Matos Pires. Durante a apresentação foi abordada a importância do uso racional da água na agricultura irrigada com enfoque a eficiência do uso da água na irrigação, desafios, cenários e perspectivas, além da caracterização da agricultura irrigada no Brasil, a importância da água do monitoramento e do manejo das irrigações e os benefícios da irrigação e as estratégias para aumento da eficiência do uso da água na agricultura.

A pesquisadora e diretora do Centro de Horticultura do IAC, Eliane Gomes Fabri, ministrou a palestra “Usos e potencial comercial de plantas aromáticas e medicinais no Brasil”, em 20 de junho, às 14h40. A palestra abordou informações sobre as espécies nativas e exóticas mais cultivadas no Brasil de plantas aromáticas e medicinais e o potencial comercial dessas espécies. “Dei uma visão geral dos diversos mercados que fazem uso dessas plantas, como cosmético, farmacêutico, químico, alimentos e outros, a possibilidade de produção fazendo uso da plasticultura, seja em ambiente protegido ou mulching em campo aberto, e a produção de plantas em vasos para o mercado de floriculturas e supermercados, além dos aspectos fitossanitários, nutrição e irrigação”, afirma.

Em 21 de junho, às 9h, o pesquisador do Instituto de Zootecnia (IZ-APTA), Fernando André Salles, fez uma apresentação sobre aquaponia, em que abordou os conceitos fundamentais da produção integrada de peixes e vegetais, como a qualidade da água, filtragem física e biológica, escolha das espécies de peixes e vegetais adequados ao sistema, manejo nutricional e dimensionamento de sistemas, entre outros.

“A participação em eventos como esse são muito importantes, pois aproxima a pesquisa dos produtores e de todo o setor produtivo, uma recomendação do governador Márcio França”, afirma Francisco Sérgio Ferreira Jardim, secretário de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo.

Por Fernanda Domiciano

Assessoria de Imprensa – APTA

(19) 2137-8933

|Voltar|